A Legionella é um problema de saúde pública

Figura 1: Legionella pneumophila (Imagem retirada de: http://phil.cdc.gov/phil/home.asp)

As bactérias do género Legionella encontram-se em ambientes aquáticos naturais e também em sistemas artificiais, como redes de abastecimento/distribuição de água, redes prediais de água quente e água fria, sistemas de arrefecimento (torres de refrigeração, condensadores evaporativos e humidificadores adiabáticos/evaporativos) existentes em edifícios, nomeadamente em hotéis, termas, centros comerciais e hospitais. Surgem ainda em fontes ornamentais e tanques recreativos, como por exemplo jacuzzis.
São conhecidas cerca de 47 espécies de Legionella sendo a Legionella pneumophila reconhecida como a mais patogénica (Figura 1).

Sistemas e equipamentos associados ao desenvolvimento da bactéria

•  Sistemas de arrefecimento

  • Torres arrefecimento (Figura 2);
  • Condensadores evaporativos (Figura 3);
  • Humidificadores adiabáticos/evaporativos;

•  Redes prediais de água quente e de água fria
•  Sistemas de água climatizada de uso recreativo ou terapêutico

  • Piscinas climatizadas e jacuzzis;
  • Instalações termais;
  • Equipamentos usados na terapia respiratória (nebulizadores e humidificadores de sistema de ventilação assistida).

•  Instalações com menor probabilidade de proliferação e dispersão de Legionella

  • o Sistemas de abastecimento/distribuição de água;
  • o Sistemas de água contra incêndios;
  • o Sistemas de rega por aspersão;
  • o Lavagem de automóveis;
  • o Sistemas de lavagem de gases;
  • o Fontes ornamentais.

Para minimizar a proliferação de Legionella pneumophila e o risco associado de Doença dos Legionários devem ser adotadas medidas de prevenção e de controlo físico-químico e microbiológico, para promover e manter limpas as superfícies dos sistemas de água e de ar.
Recomendam-se as seguintes práticas:
•  Assegurar uma boa circulação hidráulica, evitando zonas de águas paradas, ou de armazenamento prolongado, nos diferentes sistemas;
•  Acionar mecanismos de combate aos fenómenos de corrosão e incrustação através de uma correta operação e manutenção, adaptados à qualidade da água e às características das instalações;
•  Efetuar o controlo e monitorização da qualidade da água do processo, quanto ao residual de biocida, ao pH, à dureza, à alcalinidade, ao nº de colónias a 22 e 37ºC e à Legionella.

Para serem eficazes, as ações preventivas devem ser exercidas, desde a conceção das instalações até à sua operação e manutenção.

Os protocolos de operação e manutenção devem ter como base um bom conhecimento de todo o sistema e equipamentos, abrangendo uma inspeção regular a todas as partes do sistema, um programa de controlo e de tratamento da água do ponto de vista físico-químico e microbiológico, um programa de limpeza e desinfeção de todas as instalações e, por fim, a existência de um livro de registo sanitário para cada um destes protocolos.

Texto com base nos documentos encontrados no site do SNS

Instituto Português da Qualidade. Prevenção e Controlo de Legionella nos Sistemas de Água (2014)

European technical guidelines for the prevention, control and investigation of infections caused by Legionella species: ECDC: 2017

Procure aconselhamento com especialistas na manutenção de equipamentos, consulte a CLIMACOM

Encontre os equipamentos e instrumentos necessários à correcta manutenção dos sistemas AQUI

 

Figura 2: Torre de arrefecimento

Figura 3: Condensador evaporativo